Total Pageviews

Blog Archive

Procura neste Blog

ITO-NeTthings. Com tecnologia do Blogger.

Blogs de Portugal

A Grande Escavação (The Dig) - Netflix - Review - Um bom filme

A Grande Escavação (The Dig) - Netflix - Review - Um bom filme
Share it:
Carey Mulligan e Ralph Fiennes presidem à descoberta do túmulo do navio anglo-saxão neste drama de época bastante suave as com uma história muito bem conseguida.
A Grande Escavação (The Dig) - Netflix - Review - Um bom filme
É um conto agridoce de descoberta dos tesouros de Sutton Hoo na véspera da segunda guerra mundial. Adaptado pela roteirista Moira Buffini do romance histórico de John Preston, é um capricho melancólico sobre um propósito comum, uma nova amizade e a persistência do passado, atolado ocasionalmente por um drama romântico estimulado pela exuberante cinematografia de Mike Eley, que lindamente captura a beleza solitária das paisagens inglesas abertas. 

Ralph Fiennes é Basil Brown, o arqueólogo autodidata da classe trabalhadora que usa levianamente o seu imenso conhecimento e que dirige a sua bicicleta com malhas sob céus imponentes, agora escurecendo com a ameaça iminente de guerra com a Alemanha. 

O comportamento de Basil é calmo e despretensioso, mas há um desafio de aço sob a deferência superficial, uma consciência do seu próprio valor, tanto profissionalmente quanto financeiramente. 

Em contraste, Edith Pretty, de Carey Mulligan, é uma viúva rica cujas extensas terras incluem uma série de imponentes montes de terra, que ela convoca Brown para escavar. “Meu interesse por arqueologia começou como o seu, quando eu mal tinha idade suficiente para segurar uma espátula”. Assim começa uma amizade improvável entre duas pessoas muito diferentes, ambas as quais acreditam que “fala, o passado”. 

Num filme definido pelo eufemismo, são os pequenos detalhes que importam. Há uma eloquência admirável no retrato de Brown de Fiennes, da precisão estudada de seu sotaque Suffolk muito específico à maneira como o seu olhar se altera enquanto ele olha da relva para as estrelas, encontrando maravilhas iguais em viagens no tempo em ambos os mundos. 

Monica Dolan, num papel secundário como a esposa de Basil, May, respirando anos de história em algumas conversas bastante curtas, contando mais sobre a vida juntos num olhar fugaz ou um toque provisório do que qualquer outro quantidade de diálogo expositivo. 

Enquanto isso, o temível Ken Stott pega uma caricatura amplamente escrita do arqueólogo académico Charles Phillips e mantém-na com credibilidade, personificando o sistema snobe que marcha para receber o crédito pelas descobertas de Basil, olhando com desprezo para Brown, a quem eles consideram seja pouco mais do que um trabalhador - um escavador de terras. 

De um modo geral, mais integral é a relação cada vez mais paternal de Basil com o filho de Edith, Robert (Archie Barnes), o menino que encontra consolo na dolorosa compreensão da enfermidade da sua mãe na companhia de alguém que tem um toque sobre ele. 

É um drama que vale bem a pena.

Segundo a Netflix:
Nas vésperas da Segunda Guerra Mundial, um arqueólogo autodidata é contratado por uma viúva para escavar uns montículos na propriedade dela e faz um incrível achado.

Share it:

info

Post A Comment:

0 comments: