Total Pageviews

Blog Archive

Procura neste Blog

ITO-NeTthings. Com tecnologia do Blogger.

Blogs de Portugal

Estatísticas de ransomware em 2021

Estatísticas de ransomware em 2021
Share it:
O número de ciberataques tem crescido e o ransomware acompanha essa subida e estima-se que pode ter um impacto de 20 biliões de Euros até ao final de 2021.
Estatísticas de ransomware em 2021
O Ransomware é uma preocupação global, mas para quem perdeu os dados, que ficaram cifrados, a preocupação é como pode recuperar a informação.

É uma ferramenta de ataque sempre em evolução, mesmo a forma mais simples de ransomware pode custar tempo e dinheiro significativos, e pode afundar uma empresa ou organização.

Este tipo de ataques serve para extorquir dinheiro e muitas vezes financiar outras atividades ilícitas.

O valor do resgate tem subido ao longo dos anos e essa tendência não mostra sinais de diminuição.  Alguns hackers até corrompem e apagam os ficheiros de uma empresa enquanto esperam o pagamento do resgate, apenas para mostrar que devem ser levados a sério. Independente das ações finais do cibercriminosos, o verdadeiro custo do ransomware vai além do simples pagamento.

A maioria das empresas afirma que passaram por perda de dados e longos períodos de inatividade como resultado de um ataque de ransomware. Esses dois resultados são extremamente custosos para uma empresa, especialmente as grandes, com centenas de funcionários.

Downtime significativo pode resultar em milhões de dólares em perda de lucros. Ainda pior, também leva a uma queda na confiança do consumidor, especialmente em culturas que valorizam seus relacionamentos com as organizações com as quais têm uma conexão, o que também vai prejudicar negócios futuros.

A Arábia Saudita, Turquia e a China são os três principais países a a sofrer incidentes motivados por ransomware, colocando a sua confiabilidade, reputação e, portanto, negócios, em risco.

Crédito: SafetyDetectives


O método mais conhecido destes ataques é por e-mail onde as vitimas são ludibriadas com engenharia social maliciosa, e, acabam por abrir o anexo do email que não deviam.

A falta de treino básico em práticas de cibersegurança, tais como reutilização de senhas fracas, falta de gestão adequada de acesso e pouca conscientização do utilizador como um todo, são as causas da infeção por ransomware.

Crédito: SafetyDetectives

O WannaCry, por exemplo, virou manchete internacional em 2017, derrubando sistemas associados com organizações do governo, transporte público, companhias de telecomunicações nacionais, empresas logísticas globais e várias universidades ao redor do mundo. Três anos depois, esse ransomware supostamente norte-coreano ainda aparece em quase metade dos incidentes relatados só nos Estados Unidos.

O Windows é o sistema operativo mais atacado, basicamente porque é o mais utilizado. Mas também porque muitas pessoas não o atualizam devidamente e também não estão bem protegidos a nível de antivírus. 

Crédito: SafetyDetectives

No entanto, isso não significa que o macOS, Android e o iOS são imunes. 

E agora está a aparecer uma nova gama ou tendência.

Crédito: SafetyDetectives

O ransomware não vai embora nem tão cedo. Mais dispositivos conectados, mais dispositivos inteligentes, mais pagamentos digitais, etc. Tudo são mais possíveis alvos de ataques.

Resumindo de forma simples: URLs embutidos em e-mails permanecem como a principal forma pela qual os computadores são infetados.

Por isso, um bom antivírus, o sistema atualizado e a desconfiança total em emails ainda são a melhor proteção.
Share it:

info

Post A Comment:

0 comments: